Os profissionais de marketing de hoje tem acesso a um número enorme de ferramentas de e-mail marketing, facilitando sua conexão aos assinantes onde mais importa: em suas caixas de entrada. Mas só porque temos essa facilidade não quer dizer que é fácil fazer marketing por e-mail. Praticamente todo profissional do mercado consegue lembrar de pelo menos uma mensagem que ele esperava ter um bom desempenho, mas que no fim das contas, não deu em nada.

Resolver taxas ruins de engajamento é importante para melhorar o desempenho geral de uma campanha. Para chegar na fonte de qualquer problema que estiver atrapalhando seu engajamento, você precisa começar a pensar como um detetive. E nós vamos ajudar você com essa tarefa:

Estratégia #1: mude sua abordagem de engajamento

Quando falamos de baixa taxa de engajamento, é fácil apontar para fatores como assunto ruim ou Call to Action sem destaque. Até vamos falar desses problemas mais adiante, mas certamente você tem problemas maiores para lidar primeiro.

Um dos maiores problemas por trás de um engajamento ruim é uma abordagem de engajamento ruim (ou inexistente). Funciona assim: você convence seus assinantes a se cadastrar em sua lista, e então manda para eles um punhado de e-mails. Depois disso… você some, afinal tem que dar conta de um monte de atividades, então enviar mais um e-mail acaba indo para o final de sua lista de tarefas (ou nunca mais volta para ela).

Fonte: Really Good Emails (https://reallygoodemails.com/emails/subscribe-to-blog) Fonte: Really Good Emails (https://reallygoodemails.com/emails/subscribe-to-blog)

Para evitar isso, comece criando uma série de e-mails que será enviada com uma determinada frequência. Por exemplo, você pode criar um fluxo onde o destinatário recebe uma mensagem de boas-vindas, logo depois de se cadastrar em sua lista, e depois disso recebe mais cinco e-mails informativos nas próximas 3–5 semanas.

Melhor ainda, você pode criar fluxos de automação com base no comportamento dos seus contatos. Se ele se engaja mais com um conteúdo, você pode começar a enviar mais mensagens para ele sobre isso.

Pense em como e quando você vai fazer esse contato, teste diferentes frequências de envio e diversas sequências individuais de e-mails.

Se você não investir no relacionamento com seus contatos, eles não vão se engajar com você. Ponto.

Estratégia #2: torne pessoal

“E-mails com assuntos personalizados têm 26% mais chances de abertura". Isso é uma boa diferença, mas não é uma surpresa.

Pense um pouco em como você interage com os e-mails que recebe em sua caixa de entrada. Qual a possibilidade de você abrir um e-mail que não parece ser relevante, ou que não parece ter sido criado para suas necessidades e interesses? São essas respostas que fazem a personalização de e-mails ser tão poderosa.

Apesar da grande maioria pensar que a “personalização” é somente incluir os nomes dos destinatários no assunto dos e-mails, a verdadeira personalização vai muito além e pode ser muito mais sofisticada. Existem algumas estratégias em particular que você deve testar com seus contatos:

  • incorpore outros dados pessoais no assunto da mensagem, como o nome da empresa do contato, nome da cidade, o produto que ele comprou anteriormente;
  • envie ofertas direcionadas criadas a partir de personas, áreas geográficas, ou comportamento de compra;
  • otimize os Call to Actions (botões) e conteúdo da mensagem de acordo como o ciclo de vida do contato; e
  • envie mensagens direcionadas de acordo com o padrão de engajamento de cada contato com sua empresa.

Segmente seus contatos com base nos dados que você já sabe deles. Por exemplo, um revendedor on-line de relógios de alto padrão pode enviar mensagens diferentes para clientes diferentes, com base e itens como o valor gasto por ano ou marcas que mais gostam. Este nível de personalização faz o contato sentir que você se importa com o que ele gosta.

O segredo para uma personalização efetiva é ter um entendimento forte de para quem você está enviando as mensagens e quais assuntos vão ser de maior interesse a eles.

Estratégia #3: use um processo de teste baseado em dados

Testes A/B são muito comuns, mas se não forem feitos da maneira correta vão gerar resultados como pouco impacto. Isso se não gerar um impacto negativo.

Aplicar teste A/B requer que vários fatores sejam observados:

  • um questionamento que precisa ser respondido;
  • uma compreensão dos componentes que têm maior influência sobre a abertura ou não dos e-mails; e
  • um processo de teste válido que gere um resultado concreto.

E sabe porquê esses fatores são importantes? Porque se você não estiver trabalhando com base em um questionamento, qualquer teste feito será simplesmente um teste, e este efeito é amplificado se você não entender quais componentes levam seus contatos a abrir o e-mail, já que seus testes estão sendo feitos às cegas.

Por fim, se você não está monitorando os testes, não vai saber se os resultados que você está tendo — sejam eles relevantes ou não — serão replicáveis em suas futuras campanhas de e-mail marketing.

O nome do Remetente e o assunto do e-mail são os dois componentes mais importantes, pois são eles que o seu contato vai ver primeiro. Partindo dessa hipótese, você pode decidir concentrar seus testes nesses dois componentes antes de testar outros elementos de suas mensagens.

Se seus testes não produzirem resultados estatisticamente significativos, você poderá voltar ao planejamento, escolher uma nova opção e criar novos testes até que tenha um resultado satisfatório.

Estratégia #4: minimize problemas de compatibilidade

Certamente, a qualidade dos seus e-mails é importante. Porém, mesmo se você criar os melhores conteúdos, os seus contatos não vão receber seus e-mails se você tiver problemas de compatibilidade.

A sua ferramenta de e-mail marketing deve oferecer orientações sobre as etapas a serem seguidas para garantir que seus e-mails sejam entregues conforme prometido. Siga as dicas deles, mas faça seu próprio processo também.

Se você estiver enviando mensagens somente com imagens ou e-mails criados com modelos que não carregam corretamente em tablets e smartphones, você vai ter problemas de compatibilidade, que podem impedir que seus destinatários vejam os e-mails que você gastou tanto tempo criando.

Com o Mailtop, você pode verificar como o seu e-mail vai ficar ao ser aberto em um computador ou um smartphone, antes mesmo de fazer o envio.

Estratégia #5: siga seu instinto

Antes de enviar cada e-mail, pergunte a si mesmo: “Eu iria gostar de receber esta mensagem?”

Quando você está montando seu e-mail é fácil se distrair com uma linguagem legal ou truques de design. Mas no fim das contas, será que a sua mensagem está mesmo entregando algo de valor para seus contatos? Será que a sua oferta é realmente atrativa? A mensagem é adequada ao seu público-alvo?

Em resumo: se você não consegue dizer, de forma honesta, que gostaria muito de receber uma mensagem como essa em sua caixa de entrada, continue editando o e-mail ao invés de enviá-lo. Uma única mensagem inapropriada pode destruir o seu relacionamento com os contatos.

Faça cada mensagem aderir a estes padrões de qualidade e o seu problema de falta de engajamento, vai logo se tornar algo do passado.

Como podemos ajudar?

É novo nesse mundo das campanhas por e-mail? Então entre em contato conosco. Podemos te ajudar a começar.

Fonte: 5 Strategies for Solving Low Email Marketing Engagement Rates. Foto da capa de Michał Parzuchowski no Unsplash.